terça-feira, 6 de novembro de 2018

A Aprodecana e o Clube da Cachaça dos Alambiques Gaúchos.


A Aprodecana/RS é a Associação dos Produtores de Cana de Açúcar e Seus Derivados do Estado Rio Grande do Sul. Fundada em 1999 por um grupo de produtores do setor, tem como objetivo representar e defender os interesses econômicos e políticos dos associados, organizando e articulando ações que destaquem e valorizem a cachaça gaúcha e outros produtos derivados da cana como o açúcar mascavo, a rapadura, o melado, o caldo de cana e o vinagre de cana. Os associados da Aprodecana aprimoram a qualidade, aliando a tecnologia com a tradição dos produtos gaúchos.

Recentemente a Aprodecana lançou o seu site oficial onde são divulgadas as atividades e informações da associação e da produção gaúcha dos derivados da cana. Também foi lançado o Clube da Cachaça dos Alambiques Gaúchos, apresentando uma carta de cachaças das marcas associadas. Os participantes do clube terão vantagens na aquisição de produtos unitários ou de pacotes, com descontos exclusivos e atendimento personalizado.


No Clube da Cachaça dos Alambiques Gaúchos estão disponíveis várias marcas de todas as regiões do RS: Água de Arcanjo (Maquiné), 3 Fortuna (Muçum), Bento Albino (Maquiné), Belvedere (Augusto Pestana), Bockorny (Ivoti), Casa Bucco (Bento Gonçalves), Casa Buchmann (Presidente Lucena), Da Chica (Porto Alegre), Harmonie Schnaps (Harmonia), Jozé Jozé (Santa Cruz do Sul), Velho Alambique (Santa Tereza), Weber Haus (Ivoti), Maria João (Santa Rosa), Serigote (Caxias do Sul), Seiva Missioneira (Caibaté), e Perau Velho (Santa Maria).

Entre em contato com a Aprodecana e conheça os produtos derivados da cana produzidos no Rio Grande do Sul - Clique aqui.
Aprodecana no Facebook – Clique aqui.
Alambiques Gaúchos no Facebook – Clique aqui.
Telefone – 051 9 8594 6785.

Antonio Silvio Hendges, editor do blog RS no alambique, certificado pela Escola da Cachaça, professor de biologia, pós-graduado em auditorias ambientais, assessoria, consultoria e cartas de cachaças gaúchas para bares, restaurantes e eventos. Email: as.hendges@gmail.com

 RS no alambique, saúde!

terça-feira, 16 de outubro de 2018

Da Chica: mais uma gaúcha no Clube CN.


O veneno e o antídoto: Cachaça da Chica.
Clube CN é um produto da Cachaçaria Nacional com mais de mil participantes em todo o Brasil. Todos os meses os sócios recebem duas cachaças selecionadas por especialistas, receitas de pratos para harmonização e drinks elaborados com as cachaças escolhidas. Neste ano, as cachaças gaúchas estão em destaque pela quarta vez com a Cachaça da Chica que chegará para todos os associados neste mês de outubro.


A Da Chica tem como base a cachaça Weber Haus produzida em Ivoti/RS, mas se diferencia desta marca por uma proposta própria, utilizando ervas, flores, frutas e raízes para criar uma linha de produtos exclusivos em embalagens diferenciadas que se destacam pela beleza, bom gosto e identificação com o público jovem. A Da Chica existe desde 2002 e foi lançada durante a realização do 1º Fórum Social Mundial em Porto Alegre, tornando-se posteriormente reconhecida pela qualidade e características sensoriais diferenciadas e exclusivas.


Neste mês, os assinantes do Clube CN terão acesso ao “veneno” prata, armazenada em amburana por 45 dias e o “antídoto” envelhecida em carvalho por quatro anos. Esta brincadeira está relacionada às embalagens exclusivas em forma de caveira e de vidro de medicamento antigo, trazendo uma ideia inovadora em termos de apresentação dos produtos e remetendo aos boticários e laboratórios antigos, com um visual muito interessante para as coleções dos assinantes.


Vídeo de apresentação da Cachaça Da Chica Clique aqui.


Vídeo de análise sensorial da Cachaça Da Chica Clique aqui.


Outras cachaças gaúchas que participaram do Clube CN em 2018: Bento AlbinoVelho Alambique e Weber Haus. Clique para entrar nos sites das marcas.

Antonio Silvio Hendges, editor do blog RS no alambique, certificado pela Escola da Cachaça, professor de biologia, pós graduado em auditorias ambientais, assessoria, consultoria e cartas de cachaças gaúchas para bares, restaurantes e eventos. Email: as.hendges@gmail.com

RS no alambique, saúde!

quarta-feira, 10 de outubro de 2018

Seiva Missioneira, Caibaté/RS.


Caibaté está localizado no noroeste do Rio Grande do Sul no centro da área conhecida como Região Missioneira e por isso, o município é reconhecido como “o Coração das Missões”. Nestas terras estavam localizadas as Missões Jesuíticas dos Sete Povos que nos séculos XVII e XVIII se desenvolveram na margem leste do Rio Uruguai. Atualmente, existe na região um extenso turismo histórico e de resgate da cultura missioneira.

Desde 2006, neste município é produzida a cachaça Seiva Missioneira que homenageia a história regional e se destaca como um produto reconhecido e de excelente qualidade. As condições locais de clima e solos para o cultivo da cana-de-açúcar são excelentes, com solos férteis que dispensam adubação, altitude média de 285 metros, frio moderado e geadas pouco significativas que contribuem para a maturação uniforme das plantas.

O cultivo da cana é orgânico, sem utilização de fertilizantes químicos e com o destino adequado dos resíduos da produção, com 50% do bagaço utilizado como combustível na caldeira e 50% no enriquecimento dos solos, as porções de cabeça e cauda transformadas em álcool hidratado utilizado na frota de distribuição e o vinhoto armazenado e posteriormente utilizado na fertirrigação das áreas de cultivo.


O corte e limpeza da cana são realizados de forma manual, sem queimas, com transporte imediato para a moagem e fermentação realizada com leveduras naturais selecionadas, preservando as qualidades da matéria prima e garantindo um resultado de excelência com a destilação em alambiques de cobre martelados e a separação adequada das frações, com uma cachaça de corpo absolutamente livre de substâncias tóxicas ao organismo dos consumidores.

A capacidade de produção instalada é de 60 mil litros anuais e após a destilação o armazenamento é realizado em barris de variadas madeiras como a amburana, a cabriúva, o bálsamo, o carvalho, a grápia e o jequitibá. A Seiva Missioneira Extra Premium é envelhecida em carvalho durante sete anos e a Ouro três anos em carvalho, grápia, cabriúva, jequitibá e bálsamo. A Prata é armazena durante seis meses em dornas de jequitibá.

 RS no alambique, saúde!

A Seiva Missioneira também possui uma linha de licores diferenciados elaborados a partir da cachaça prata e que se destacam pela qualidade e apresentação em vários sabores, inclusive de algumas frutas e plantas regionais como o butiá, a erva mate e a jabuticaba, além de outros como abacaxi, amora, anis, cravo e canela, mel e gengibre, mel e guaço, menta, morango e nêspera.


Antonio Silvio Hendges, editor do blog RS no alambique, certificado pela Escola da Cachaça, professor de biologia, pós-graduado em auditorias ambientais, assessoria, consultoria e cartas de cachaças gaúchas para bares, restaurantes e eventos. Email: as.hendges@gmail.com

domingo, 23 de setembro de 2018

A volta da Primavera.



Embalagem original e o lançamento da Weber Haus.












A Primavera foi a primeira cachaça produzida comercialmente pela Weber Haus, empresa familiar que atualmente é referência na produção desta bebida no município de Ivoti/RS e uma das marcas mais premiadas em concursos nacionais e internacionais. A caninha Primavera começou a ser produzida em 1969 por Hugo Weber, descendente do imigrante alemão Jakob Weber que no início do Século XIX migrou da Renânia com a família e se estabeleceu na Linha 48, local onde está instalada até hoje a estrutura de produção da cana, destilação e envelhecimento da Weber Haus.

Para resgatar esta bela História, recentemente foi relançada a marca Primavera mantendo as características originais, como a garrafa âmbar, o envelhecimento em cabriúva e o rótulo que lembra o produto original. Evandro Weber, filho de Hugo Weber e o líder atual da empresa, responsável por sua expansão e inserção no mercado internacional destaca que “o retorno da Primavera é um resgate das origens e uma homenagem histórica ao fundador da Weber Haus”.

O relançamento da “nova” marca da Weber Haus foi planejada para coincidir com a chegada da primavera em 22 de setembro, a estação do ano que era a preferida dos antepassados imigrantes que chegaram para povoar o Rio Grande do Sul a partir de 1820, estabelecendo-se no Vale do Rio dos Sinos e na Serra Gaúcha, atualmente entre as regiões mais desenvolvidas do Brasil.


Com Evandro Weber e a Cachaça Primavera.

A equipe RS no alambique esteve recentemente em Ivoti/RS e conversamos com o Sr. Hugo Weber e seu filho Evandro, que nos receberam com muita atenção e entusiasmo, nos contando belas histórias do início das atividades, desde as dificuldades às alegrias de construir com muito esforço e dedicação esta grande empresa, nos levando para visitar todas as etapas da produção atual e inclusive fazendo algumas fotos exclusivas para este blog.

Agradecemos ao Sr. Hugo Weber, ao Evandro Weber e toda equipe da Weber Haus pela recepção e atenção que dispensaram, não somente para nós, mas para todos os visitantes que naquele belo local se reencontram com o passado e o presente, agora resgatado na volta da Primavera.


1º barril para envelhecimento das cachaças Weber Haus.

Antonio Silvio Hendges, editor do blog RS no alambique, certificado pela Escola da Cachaça, professor de biologia, pós graduado em auditorias ambientais, assessoria, consultoria e cartas de cachaças gaúchas para bares, restaurantes e eventos. Email: as.hendges@gmail.com


RS no alambique, saúde! 

domingo, 16 de setembro de 2018

Roteiro RS no alambique comemorativo ao Dia da Cachaça.

Algumas fotos do roteiro comemorativo ao Dia da Cachaça que realizamos nos dias 12 a 15 de setembro. Nesta atividade, fomos acompanhados pelo apreciador e divulgador da cachaça, Leszek Wedzicha, polonês residente em Liverpool, que atualmente dedica-se a difusão do consumo e da História da cachaça na União Europeia, inclusive de algumas marcas gaúchas.


Primeiro barril utilizado pela Weber Haus (de cabriúva).



Primeira prensa utilizada pela Weber Haus.

Painel com períodos importantes da História da Weber Haus, Ivoti/RS.

Com Evandro Weber da Weber Haus e Vice Presidente do Instituto Brasileiro da Aguardente e da Cachaça - IBRAC.


Com Ivandro Remus da Velho Alambique e A Locomotiva, Santa Tereza/RS.


Casa Bucco, Vale do Rio das Antas, Bento Gonçalves/RS

Área de envelhecimento da Casa Bucco.


Na Weber Haus em Ivoti/RS, degustando um blend de amburana, bálsamo e canela sassafrás.

Com o mestre tanoeiro Eugênio Mesacaza e seu filho Mauro Mesacaza, Monte Belo do Sul/RS.

Ivandro Remus da Velho Alambique e A Locomotiva, explicando o cultivo orgânico e o processo de destilação. 

Cachaça Bockorny Schnaps, Ivoti/RS.

Casa Buchmann, Ivoti/RS.

Também pretendíamos visitar no município de Harmonia/RS, a Cachaçaria Harmonie Schnaps, que atualmente está em destaque com vários prêmios importantes no Concurso Mundial de Bruxelas e na Expointer 2018 com suas cachaças prata e amburana. No entanto, com problemas elétricos em nosso veículo e mau tempo, não conseguimos nos deslocar até o local.


Harmonie Schnaps amburana, 1º lugar na Expointer 2018, a maior feira agroindustrial e da agricultura familiar na América Latina.

Antonio Silvio Hendges, editor do blog RS no alambique, certificado pela Escola da Cachaça, professor de biologia, pós graduado em auditorias ambientais, assessoria, consultoria e cartas de cachaças gaúchas para bares, restaurantes e eventos. Email: as.hendges@gmail.com

RS no alambique, saúde!